quinta-feira, 24 de novembro de 2016

I Jornadas de Cultura Portuguesa

Criada em 2006, por iniciativa de Arnaldo de Pinho e Sophia de Mello Breyner Andresen, a Cátedra Poesia e Transcendência tem organizado inúmeros encontros, colóquios e conferências, dinamizando o meio académico e cultural português. Afecta ao Centro Regional do Porto da Universidade Católica Portuguesa, a Cátedra de Sophia - como também é conhecida -, possui um carácter multidisciplinar, procurando estudar as relações entre a Poesia e o fenómeno da Transcendência, tanto em autores nacionais como estrangeiros.
No próximo Sábado, pelas 10:30, no campus da Foz da Universidade Católica Portuguesa, a Cátedra de Sophia organizará as suas I Jornadas de Cultura Portuguesa. Um evento que se espera poder vir a tomar uma periodicidade anual. Esta primeira edição, dedicada à memória de António Pedro, escritor, encenador e artista plástico falecido em 1966, contará com as participações de Henrique Manuel Pereira, José Rui Teixeira, José Pedro Angélico, Pedro Pereira, Teresa André, Fernando de Castro Branco, Jorge Teixeira da Cunha, entre outros. 
A entrada é livre e aberta a toda a comunidade. 

(Clicar na imagem para consultar o programa.)

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Viajar com Ramalho Ortigão

«Pioneiro das travessias de Portugal, amador enternecido da Alma, das Terras e das Gentes Portuguesas, melhor que ninguém soube trespassar-nos numa volta que nos envolve a todos, caminhantes desta terra, mas sobretudo, caminhantes dentro de nós próprios, num tempo em que é por dentro de cada um que a viagem por Portugal tem de principiar.»
José Valle de Figueiredo em Viajar com Ramalho Ortigão

Crítico e visionário, Ramalho Ortigão foi um autor de génio que soube colocar-se ao lado dos que, no seu tempo, amavam e se preocupavam com a actualidade e futuro de Portugal. A sua obra reflecte o modo como viveu, a sua forma de pensar, as suas paixões e os seus ódios. Podemos por isso afirmar que Ramalho Ortigão, à semelhança de outras personalidades coevas como Eça de Queirós, Sampaio Bruno, ou Guerra Junqueiro, encarnou o espírito de uma época inquieta e inquietante, na qual se jogava a própria existência histórica de Portugal. 
Na próxima Quinta-Feira, dia 24 de Novembro, pelas 18:30, no Forte de S. João Baptista, na Foz do Douro, será apresentada a mais recente obra de José Valle de Figueiredo, intitulada Viajar com Ramalho Ortigão. Esta sessão servirá também de mote a uma justa evocação de Ramalho Ortigão, cujas ligações à cidade do Porto são também bastante fortes.
A entrada é livre e aberta a toda a comunidade. 

(Clicar na imagem para ampliar.)

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Olhares Luso-Brasileiros

Tendo recentemente voltado ao nosso país, onde participou em mais um Colóquio Internacional Tobias Barreto, Constança Marcondes César apresentou, em Lisboa e no Porto, o seu livro intitulado Olhares Luso-Brasileiros. Publicado numa parceria editorial entre o MIL e a DG Edições, este volume reúne perto de 50 artigos escritos ao longo das últimas décadas, prestando um valiosíssimo contributo para a sistematização do estudo e hermenêutica do pensamento e da cultura luso-brasileira. 
Partilhamos aqui a recensão de José Almeida a esta obra, publicada na edição de ontem do semanário O Diabo.

(Clicar na imagem para ampliar.)

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Aurélia de Sousa: Memórias de uma Exposição

Terminou ontem a exposição Aurélia, Mulher Artista. Uma mostra retrospectiva da obra de Aurélia de Sousa, organizada nos 150 anos do seu nascimento. Distribuída por dois pólos diferentes, Casa-Museu Marta Ortigão Sampaio e o Museu da Quinta de Santiago, esta foi a maior exposição da genial pintora portuguesa jamais realizada após a sua morte.
Ao longo dos últimos 5 meses foi possível admirar um vasto conjunto de obras desta artista, muitas delas provenientes de colecções privadas, fomentando-se, uma vez mais, a discussão em torno do presente ocultamento da arte portuguesa. Com efeito, poder-se-á dizer que esta exposição, em conjunto com a de Amadeo de Souza-Cardoso - recentemente realizada em Paris -, prestou um importante contributo para a revalorização da arte portuguesa a nível nacional e internacional. Numa altura em que o Porto é alvo da preferência de turistas de todo o mundo impõem-se, enquanto cidade-berço para várias escolas e gerações de artistas, a promoção deste tipo de iniciativas, tão enriquecedoras como fundamentais para a promoção da cultura portuguesa.
As fotografias que aqui apresentamos remetem-nos para a parte da exposição patente na Casa-Museu Marta Ortigão Sampaio, procurando contribuir para a divulgação da obra de Aurélia de Sousa e a perpetuação da memória do excelente serviço público prestado por esta iniciativa.

Painel de divulgação da exposição de Aurélia de Sousa, colocado à entrada
da Casa-Museu Marta Ortigão Sampaio.

Sala principal da exposição.

Panorâmica da exposição.

Outra panorâmica da exposição.

Menina num estúdio de pintura (s.d.).

À Sombra (s.d.).

Alguns desenhos de Aurélia de Sousa realizados na sua juventude.

Esboços e estudos de Aurélia de Sousa.

Filósofo (Diógenes) (s.d.).

Auto-Retrato (1889).

Auto-Retrato (s.d.).

Retrato de Natália Rocha (s.d.).

Retrato de Luciana Dias Gaspar (s.d.). Uma obra que revela alguns
traços precursores do nosso primeiro modernismo.

História de Coelhos (Biombo em Tríptico) (s.d.).

domingo, 23 de outubro de 2016

O Triunfo do Amor Português: A Família Monteiro

No passado dia 21 de Outubro, os atletas João Monteiro e Daniela Monteiro inscreveram os seus nomes em mais uma página de ouro do desporto português. Ao sagrarem-se campeões europeus de ténis de mesa na categoria de pares mistos, os dois atletas fizeram história, tornando-se no primeiro casal a conseguir alcançar um título europeu em conjunto. 
Evocando-se o título de uma das obras do escritor portuense Mário Cláudio, podemos afirmar que este foi, sem sombra de dúvida, mais um triunfo do Amor Português. A comovente beleza plasmada nas imagens desta vitória ficarão para sempre gravadas nas nossas memórias, mostrando o poder do amor, paixão e sacrifício, bem como da alegria, graça e glória alcançadas em momentos de perfeita comunhão, como aquele que trouxe o ouro à família Monteiro.
O Amor tudo conquista! 

Momentos finais da prova que conduziu a família Monteiro à conquista da medalha de 
ouro no Campeonato Europeu de Ténis de Mesa, disputado em Budapeste.

terça-feira, 18 de outubro de 2016

6.º Aniversário da Nova Casa Portuguesa

Ano após ano, o sonho prevalece perante as trevas e a Nova Casa Portuguesa prossegue a sua caminhada missionária de Amor incondicional a Portugal. Agradecemos a todos quantos de variadas formas nos apoiam e incentivam à manutenção desta plataforma de reunião em torno da nossa História, Cultura, pensamento e tradição. As vossas opiniões e comentários são muito importantes para a edificação deste trabalho, pois temos como objectivo aproximar as pessoas e (res)estabelecer laços que nos permitam celebrar Portugal em comunhão com os princípios que nos regem e definem.
Aos amigos que já acompanham a Nova Casa Portuguesa através deste blogue e da nossa página de Facebook, convidamos agora a juntarem-se a nós também no Instagram.
Temos tudo quando temos Portugal!   

(Clicar na imagem para aceder à conta da
Nova Casa Portuguesa no Instagram.)